Isaac Newton

Matemático e Físico inglês nascido a 25/12/1642 em Woolsthorpe, no condado de Lincolnshire, Inglaterra.

Em Óptica descobriu a dispersão da luz branca por um prisma, estudou a mistura de cores e inventou o telescópio de reflexão.

Em 1665, Newton fazia algumas experiências com lentes que ele próprio fabricava. Nessa altura reparou em que as imagens formadas pelas lentes não eram nítidas. Pareciam enevoadas, tendo à volta uma pequena auréola de luz colorida. No entanto, as imagens produzidas por espelhos curvos eram nítidas e sem névoa. Newton fabricou mais lentes, pondo um cuidado especial no seu polimento, mas deparava-se-lhe sempre o mesmo problema. Concluiu finalmente que a causa não estava nas lentes, mas que teria a ver com a própria refracção da luz.

A par das suas descobertas no domínio da óptica, a sua teoria sobre na natureza da luz contrariou a teoria ondulatória de Huyghens, impedindo o desenvolvimento desta. Contudo, para o fenómeno dos anéis de Newton apresentava uma explicação que não podia ser totalmente baseada na teoria corpuscular.

A demonstração colorida conhecida como anéis de Newton sugere que a luz é um movimento ondulatório. Este fenómeno acontece porque as cores são produzidas por interferência, um efeito comum a todas as ondas. Duas camadas de vidro são mantidas em contacto por parafusos e ambas as peças reflectem a luz das suas superfícies. Quando duas ondas luminosas se combinam, os seus picos e cavas reforçam-se em alguns pontos e anulam-se noutros. Quando ondas de água interferem, a água pode tornar-se encapelada. Do mesmo modo, a interferência das ondas luminosas provoca zonas de luz e sombra, como se vê nesta experiência.

O trabalho de Newton dominou a Física durante quase dois séculos.

Publicou dois dos mais importantes livros científicos escritos de sempre; Principia (1687) que explicava as suas leis de movimento e a teoria da gravitação, e Óptica (1704), que investigava a luz.

Num quarto muito escuro, no buraco redondo... feito na portada da janela, coloquei um prisma de vidro... assim começa um capítulo do livro Óptica, de Newton, que descreve as suas experiências com luz e cor.

Newton fez mais do que decompor a luz branca no seu espectro. Também fez o inverso e investigou as diferentes cores que os seus prismas produziam. Nesta experiência crucial a luz branca é decomposta por um prisma, formando um espectro. O espectro é projectado num écran com uma pequena fenda. Por essa fenda passa a luz de um só cor que atravessa outro prisma que a desvia mas não a decompõe em cores. Com esta experiência Newton concluiu que as coras existentes na luz branca não são produzidas pelo prisma.

Com este diagrama (que deve ser lido da direita para a esquerda) incluído na Óptica, Newton descrevia como um feixe de luz solar podia ser decomposto em cores e tornado a compor para formar a luz branca. Ele obtinha esse resultado fazendo passar a luz através de um prisma e depois através de uma lente. A lente fazia as cores convergirem num segundo prisma. Este segundo prisma espalhava os raios de luz de modo a ficarem paralelos, formando de novo um feixe de luz branca. Nesta experiência Newton usava ainda um terceiro prisma para voltar a dividir a luz branca, a qual fazia projectar num écran. Verificou que se cortasse, ou interceptasse, qualquer das cores que atravessam a lente, essa cor desaparecia do espectro projectado no écran.

Newton escreveu sobre o modo que se distribuem as cores do arco-íris na sua Óptica. Ele sabia e fenómeno da refracção era a causa, e que este acontecia quando a luz solar atravessava gotículas de água. Mas Newton não foi o primeiro a explicar o arco-íris, pois o filósofo francês René Descartes havia já revelado os mistérios do arco-íris. Mas, conforme mostra a figura, Newton foi capaz de descrever com precisão como a luz do Sol se divide e como pode formar não só um mas, por vezes, dois arco-íris.

Em 1703, Newton era presidente da Royal Society, a mais antiga associação científica da Grã- Bretanha (fundada em 1662).

Isaac Newton faleceu a 20/3/1727 em Kensington, Inglaterra.